domingo, 14 de junho de 2015

EBD Editora Betel - Comentário Lição 12 - O Último Encontro de Um Grande Herói

COMENTÁRIOS ADICIONAIS -  Lição 12 O Último Encontro de Um Grande Herói 

Introdução

Comece sua aula com perguntas inspiradoras:
  1. Qual marca que você quer deixar pra sua geração?
  2. O que você já construiu na sua vida que se tornou algo realmente honroso?
  3. Você já foi além de suas limitações?
  4. Se você morresse hoje, como sua história seria lembrada pelas pessoas?
  5. Seria possível escrever um livro sobre sua vida e como ela foi incrível e inspiradora para outras pessoas?
  6. As pessoas podem se inspirar no seu exemplo de Vida Cristã?


A vida inspiradora de Moisés


Moisés construiu uma história inspiradora, com enorme temor a Deus, tornou-se um dos maiores lideres da história de Israel. E você? O que realmente está disposto a fazer, a abrir mão, a renunciar em prol de uma Vida Cristã genuína?

Caso tenha recursos tecnológicos, use este vídeo abaixo para gerar entre seus alunos alguns questionamentos iniciais na aula. 





1. A última visão de Moisés.


1.1. Morte, a recompensa para Moisés.

A Bíblia relata que: "Então subiu Moisés das Campinas de Moabe ao Monte Nebo, ao cume de Pisga, que está em frente a Jericó e o SENHOR mostrou-lhe toda a terra desde Gileade até Dã" Dt. 34.1

Campinas de Moabe 
Foto Atual - Campinas de Moabe

Israel nesta área é o Kibbutz Yotvata, um dos maiores produtores de leite do pais, sua vacas batem a quota de mais de 30 litros de leite por dia, deixando muito para trás as vacas brasileiras, americanas e até mesmo as suiças, são as recordistas mundiais. Yotvatá têm uma indústria laticínia bem avançada mas não é so disso que eles vivem, cavalos, flores, tâmaras e até mesmo trigo em pleno deserto, o sucesso do Kibbutz foi tão grande que o grupo Strauss Elite resolveu comprar 50% das ações, tornando-o ainda mais forte.
Fora o Kibbutz Yotvata, na Aravah podem-se encontrar pousadas, hotéis, atrações sem fim, onde a vida no deserto e as atrações típicas desta região são o "prato principal" para os turistas famintos de aventuras.
De uma forma em geral, esta região é pouco explorada turisticamente, e ela vive basicamente do turismo interno ou da agricultura, mas se lembrarmos que o Povo de Israel passou ali cerca de 40 anos, entre a Aravah (Campinas de Moabe) e a região de Paran, vemos como este local é importante espiritualmente, pois nele o povo hebreu se tornou uma nação. 
Monte Nebo
monte Nebo(em árabeجبل نيبو Jabal Nībū; em hebraicoהַר נְבוֹ Har Nevo) é um monte na Jordânia com cerca de 817 m de altitude, mencionado em Deuteronômio como o local onde Moisés viu a Terra Prometida e onde morreu, sem chegar a entrar nessas terras que viu ao longe . Do alto do monte Nebo observa-se um panorama da Terra Santa e, para norte, uma vista mais limitada do vale do rio Jordão. A cidade de Jericó é visível também do topo, tal como Jerusalém, em dias límpidos.

No ponto mais alto da montanha, foram encontrados os restos de uma igreja e do mosteiro em 1933. A igreja teria sido construída na segunda metade do século IV DC, para marcar o lugar da morte de Moisés, apesar do texto bíblico declarar que o local de sua sepultura jamais foi identificado afim de evitar a idolatria provavelmente. 

A igreja foi mencionada pela primeira vez em um relato de uma peregrinação feita por uma senhora chamada Aetheria em 394 DC. Seis tumbas foram encontradas escavadas na rocha natural, sob o piso de mosaico coberto da igreja. 

No moderno presbitério que existe hoje na capela que construída para proteger o local e proporcionar aos visitantes um bom espaço para realização de culto, nela podem ser vistos restos de pisos de mosaicos de diferentes períodos. O mais antigo deles é um painel com uma cruz trançada, atualmente colocado na extremidade leste da parede sul.


Igreja encontrada em 1933 - Monte Nebo

Os mosaicos, por sua vez, remetem a diferentes períodos históricos. Entre eles, o mais antigo é o que retrata uma cruz trançada, atualmente posicionado na extremidade leste da parede sul.

Lá existe um diagrama que mostra a distância do monte em relação a diferentes regiões.


Monte Nebo

A escultura da cruz em forma de serpente pode ser vista no local (monumento da serpente de bronze ), no topo do Monte Nebo e foi criado pelo artista italiano Giovanni Fantoni. 
Esta escultura é um elemento simbólico da serpente de bronze criada por Moisés no deserto (Números 21:4-9 ) e da cruz em que Jesus foi crucificado (João 3:14).

Estudiosos continuam a disputar se a montanha atualmente conhecida como Nebo é a mesma montanha que está descrita na Bíblia e na Torá.

O Monte Nebo, também mencionado no livro de Deuteronômio como Monte Abarim, é um ponto de frequentes estudos arqueológicos e descobertas magníficas.

Cume de Pisga
A primeira menção desse lugar é com relação aos locais de acampamento ao longo da trajetória de Israel para a Terra Prometida. (Nm 21.20) Está localizado na parte sul do território capturado na vitória contra os amorreus, depois que seu rei, Síon, recusou-se a deixar os israelitas passarem pelo país.(Dt 4.46, 49; Js12.1-3) Mais tarde, Balaque, o rei de Moabe, levou Balaão “ao campo de Zofim, ao cume do Pisga”, numa vã tentativa de fazer que se amaldiçoasse os israelitas. — Nm 23.14.
Pisga, contudo, é melhor lembrada em relação com a extensa visão que Moisés teve da Terra Prometida, pouco antes de sua morte.(Dt 3.27; 34.1-3) Pisga era designada como parte do território tribal de Rubem. — Dt 3.16; Js 13. 15-20.
Todas as vezes que o nome Pisga aparece na Bíblia, ele é qualificado pelas expressões “cume” ou “encostas” do Pisga. Por isso, é muitas vezes chamado de monte Pisga, embora não nas Escrituras.

1.2. Pessoas especiais deixam marcas indeléveis.

Marcas deixadas por Moisés

"E nunca mais se levantou em Israel profeta algum como Moisés, a quem o Senhor conhecera face a face;" Dt. 34.10

  • Homem de profunda fé (Hb 11.23-28; Nm 10.29; Dt 9.1-3).
  • Em Números 12.3 ele é mencionado como homem mais manso da terra (Ex 14.13,14; 15.25-26; 16.2,3,7,8; Nm 16.4-11).
  • Foi um extraordinário líder, pois conduziu cerca de 3 milhões de pessoas em uma jornada de quarenta anos, através do deserto, fato nunca repetido na História (Ex 3.10-22; 6.13; 12. 37-51).
  • Deus lhe concedeu um atestado de fidelidade absoluta (Nm 12.7; Hb 3.2-5).
  • Foi um homem extremamente leal aos interesses de sua raça (Hb 11.24-26).
  • Revelou possuir um caráter magnânimo e era incapaz de reter na alma mágoa ou rancor contra qualquer pessoa (Nm 1.29).
  • Várias vezes revelou ser obediente (Ex 7.6; 40.16,17, 21).
  • As escrituras o chama 18 vezes de servo do senhor.
  • A Bíblia concede a Moisés o conceito de Profeta sem igual (Dt 34.10).
  • Foi um poderoso intercessor
  • Intercedeu por Faraó (Ex 8.12,13; 9.33; 10.18,19).
  • Intercedeu por Israel (Dt 33.6-17; Sl 106.23).
  • Intercedeu por Miriam (Dt 9.20).
  • Intercedeu por Arão (Dt 9.20).
  • A figura de Moisés como Juiz pode ser apreciada, por exemplo, em Ex 18.13.

1.3. A segurança da morte.

Quais as implicações de subir no Monte? 


Requer visão (Ef 1.17,18);
Requer forças (Is 40.31);
Requer renúncia – deixar as coisas de baixo (Cl 3.1,2).
Moisés subiu no monte com plena convicção ao Deus que ele servia.

Naquele mesmo dia veio a Moisés a ordem: “Sobe […] ao Monte Nebo, […] e vê a terra de Canaã, que darei aos filhos de Israel por possessão. E morre no monte, ao qual subirás; e recolhe-te aos teus povos”. t 32:49, 50. 


Moisés havia muitas vezes deixado o acampamento, em obediência aos chamados divinos, a fim de ter comunhão com Deus; mas agora deveria partir para um novo e misterioso propósito. Devia sair para entregar a vida nas mãos de seu Criador. Moisés sabia que iria morrer só; a nenhum amigo terrestre seria permitido atendê-lo em suas últimas horas. Havia um mistério e espanto em torno da cena que perante ele estava, da qual seu coração se retraía. 


A mais severa prova era sua separação do povo de seus cuidados e amor, povo este com o qual seu interesse e sua vida haviam tanto tempo estado unidos. Mas ele aprendera a confiar em Deus, e com implícita fé confiou-se e ao povo a Seu amor e misericórdia.





2. A mensagem da vida vitoriosa de Moisés.


2.1. Moisés, um jovem de cento e vinte anos.

Moisés tinha 120 anos quando morreu, mas estava em plena atividade.

2.2. O nível de vida vivido por Moisés.

A figura de Moisés

Moisés jamais perdeu sua grandeza diante dos judeus. Estes ainda hoje o chamam de MOSHE RABBENU – Moisés, o Mestre.

A história de Moisés e sua produção literária constituem aproximadamente um sétimo de toda a Bíblia e corresponde a quase duas terças partes do tamanho do Novo Testamento.

Moisés demonstrou:

Sua Identificação com as  ovelhas- A mais perfeita imagem de um crente é a de uma ovelha. Ao longo da Bíblia o crente é compara do a uma ovelha. (Sl 79.13; 95.7; 100,3)

Sua dedicação a família - Quando Moisés recebeu sua chamada estava pastoreando as ovelhas de seu sogro. A Bíblia faz questão de enfatizar tal detalhe, porque isto significa que Moisés possuía família e era a ela dedicado.

Seu relacionamento com um servo de Deus - A narrativa bíblica da chamada de Moisés esclarece que ele apascentava as ovelhas de Jetro. Jetro era não apenas o sogro de Moisés, mas também o sacerdote de Midiã. Moisés, portanto, era pessoa ligada a um sacerdote. Ele mantinha um excelente relacionamento com um homem de Deus.

Seu treinamento no deserto - Certamente pareciam intermináveis para Moisés os 40 anos passados no deserto.
No entanto, isto fazia parte da disciplina de Deus para o futuro libertador de Israel.
      Foi assim com Davi, no Deserto de Parã.
      Foi assim com o profeta Elias, no Deserto de Berseba.
      Foi assim com João Batista no Deserto da Judéia.
      Foi assim com o apóstolo Paulo no Deserto da Arábia.

Sua experiência no Monte de Deus - Cada homem de Deus deve Ter sua experiência do monte e no monte, isto é, deve ter alguma experiência de comunhão íntima, pessoal, privada, com Deus. A Bíblia ensina que na vida de cada importante homem da História está sempre presente algum monte.

2.3. O sepultamento de Moisés.

Morto aos 120 anos(Dt 34.5-7), Moisés teve um privilégio ímpar na História, pois foi sepultado pessoalmente por Deus (Dt 34.6).

É muito fácil entender que se o corpo de Moisés houvesse sido deixado por Deus ao alcance dos israelitas, estes muito provavelmente não cederiam à tentação de transformá-lo em objeto de culto e adoração.

Esta forma de considerar as Sagradas Escrituras costuma abrir-nos a mente para o fato de que, ainda que não entendamos certas providências de Deus, devemos glorificá-lo porque em cada uma de Suas ações existe sempre um propósito de sabedoria.

3. Da glória transitória à gloria permanente.


O Espírito Santo que habita em nós, abaixo um estudo do Pr. Hernandes Dias Lopes que enfatiza de forma transparente o Ministério do Espírito Santo na vida da Igreja.

3.1. O ministério do espírito é mais excelente que o ministério de Moisés.


O Espírito Santo é quem nos convence de pecado (Jo 16:9)
Não há arrependimento sem a ação do Espírito Santo.
Tem havido pouca convicção de pecado em nosso meio. Falta lágrimas de arrependimento. Falta tristeza pelo pecado.Há muito ajuntamento e pouco quebrantamento. 

O Espírito Santo é quem nos regenera (Jo 3:5,8; Tt 3:5; Ez 37)
O Espírito Santo é livre – Ele sopra aonde quer. O Espírito Santo sopra onde jamais sopraríamos. Ele apanha as coisas loucas para envergonhar as fortes.
O Espírito Santo é soberano – Ninguém pode deter o vento. Ele chama e chama irresistivelmente. O Espírito Santo dirige, fala, escolhe, separa.
O Espírito Santo é incompreensível – Não sabes de onde vem nem para onde vai. Ele não pode ser domesticado, controlado.
O Espírito Santo é sobrenatural – O homem não pode soprá-lo nem produzí-lo. “O que é nascido da carne é carne”. O homem não pode mudar a si mesmo.

O Espírito Santo é quem nos santifica – (Lc 3:3-6; 2 Ts 2:13; 1 Co 6:11; Ef 1:4).
O Espírito Santo nos transforma. Não é reforma, apenas uma caiação, um verniz.
Stanley Jones diz que o maior inimigo do cristianismo é o subcristianismo.
Maratma Gandi disse: “No vosso Cristo eu creio, eu só não creio no vosso cristianismo”.
Estamos desesperadamente precisando de santificação. Os crentes estão vivendo como aqueles que não conhecem a Deus: no lar, nos negócios, no lazer.
O Espírito Santo transforma o nosso corpo em santuário e habitação de Deus (1 Co 6:19).
Êxodo 25:8 diz que Deus fez um santuário para habitar no meio do povo.
Esse santuário foi feito de acácia. Depois corpo de ouro. Lá estava a arca da aliança onde a glória de Deus se manifestava. Onde ia o santuário, ia transportando a presença de Deus. Deus habita em nós. Onde você vai, você vai transportando a presença de Deus.
Seu corpo é um templo. Sua vida um culto. Suas ações uma liturgia.

O Espírito Santo é o nosso intercessor espiritual (Rm 8:26-27)
O Espírito Santo nos assiste em nossa fraqueza. Temos fraquezas. A força não vem de dentro, mas do alto. Ele não nos escorraça porque somos fracos, mas nos assiste.
O Espírito intercede por nós: 1) Intensamente; 2) Agonicamente; 3) Eficazmente.

O Espírito Santo é quem nos dá vitória sobre o pecado (Gl 5:16,24)
Só mediante a força, o poder do Espírito Santo pode crucificar a carne com suas paixões e desejos. Só quando somos cheios do Espírito Santo podemos vencer o pecado que tenazmente nos assedia.
Jesus não abriu mão do poder. A igreja apostólica não abriu mão do poder. Os discípulos já eram regenerados. Eles já possuíam o Espírito Santo, mas eles não estavam cheios do Espírito Santo. Eles precisavam ser revestidos com o poder do Espírito Santo.
Nós, que cremos, também temos o Espírito Santo, mas precisamos do revestimento do poder para testemunhar, para viver, para morrer, para perdoar, para fazer a obra (Zc 4:6).
A ordem de Deus é: enchei-vos do Espírito: Imperativo + Plural + Voz Passiva + Presente Contínuo.

3.2. O ministério de Moisés era uma figura do que havia de vir.
O que acontece nos dias atuais? Os esforços da igreja para recuperar a autoridade 

A igreja tem consciência de que lhe falta algo. Essa falta não está em Deus, na Palavra, mas em nós. A igreja fala de poder, mas não tem poder.

Hoje estamos a perguntar: como podemos atingir as massas que estão lá fora? Como causar impacto? Publicidade? Propaganda? Preocupação social mais ativa? Fazer mais uso do rádio e TV. O método de Deus é o mesmo: através do poder do seu Espírito.

3.3. Devemos brilhar com rosto descoberto.

Conclamo a nossa igreja a honrarmos o Espírito Santo.

Temos pecado contra o Espírito:

a) Temos entristecido o Espírito – quando o desobedecemos, quando não seguimos sua direção, quando quebramos a comunhão, quando proferimos palavras torpes.

b) Temos apagado o Espírito – quando tiramos o combustível que o alimenta: Palavra, oração.

Conclamamos a igreja a vivermos no Espírito, a andarmos no Espírito, a seguirmos a direção do Espírito, a exercermos os dons do Espírito, a produzirmos o fruto do Espírito, a sermos cheios do Espírito, a sermos reavivados pelo poder do Espírito! Amém!

O Espírito Santo é a fonte da vida abundante (Jo 7:37-39)
Deus tem para nós uma fonte que jorra para a vida eterna, Jesus falou de rios de água viva que fluem do nosso interior.
Os crentes que foram cheios do Espírito Santo no Pentecoste viveram uma vida superlativa, abundante: oração, Palavra, comunhão, testemunho.

O Espírito Santo é a garantia da nossa Salvação (Ef 1:13-14)
O Espírito é o selo: Propriedade + Inviolabilidade + Autenticidade.
O Espírito é o penhor: garantia + anel de noivado.

9. O Espírito Santo é quem nos dá poder (Lc 3:16; 3:21-22; 4:1; 4:14; 4:17-18; 24:49; At 1:3-5,8; 2:4; 4:8; 4:31; 1 Co 2:3-5; 1 Ts 1:5)


CONCLUSÃO
Faça a conclusão em conjunto com a classe e boa aula!


Fonte: 
http://www.ad-ebenezer.com/noticia-ler/li-es-da-vida-de-mois-s/26
http://hernandesdiaslopes.com.br/2011/03/a-acao-do-espirito-santo-na-vida-da-igreja/#.VYYRV_lViko
https://www.bibliaonline.com.br/acf/dt/34

Nenhum comentário:

Postar um comentário