quinta-feira, 10 de agosto de 2017


                                  Missões no Antigo Testamento
                                            13 de outubro de 2017


Texto Áureo
“Mas o Senhor me disse: Não digas: Eu sou uma criança; porque, aonde quer que eu te enviar, irás; e tudo quanto te mandar, dirás. ” Jr 1.7
Verdade Aplicada
Missões é doutrina bíblica. Não se trata de modismo ou fruto da criatividade da Igreja.
Objetivos da Lição
·         Revelar que a obra de Missões foi planejada na eternidade;
·         Mostrar resumidamente o trabalho missionário no Antigo Testamento;
·         Demostrar como Missões no Antigo Testamento serviu de base para o Novo Testamento.
Glossário
Áureo: Abundante; brilhante;
Imprescindível: Essencial, necessário, indispensável;
Inculcar: Fazer gravar algo no espírito ou na mente; incutir.
Leituras Complementares
Seg. Rm 11.1
Ter. Rm 11.2
Qua. Rm 11.3
Qui. Rm 11.4
Sex. Rm 11.7
Sáb. Rm 11.8
Textos de Referência
Is 6.5 – Então disse eu: Ai de mim que vou perecendo! Porque eu sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios, e os meus olhos viram o rei, o Senhor dos Exércitos!
Is 6.6 – Mas um dos serafins voou para mim trazendo na sua mão uma brasa viva, que tirara do altar com uma tenaz;
Is 6.7 – E com ela tocou a minha boca, e disse: Eis que isto tocou os teus lábios; e a tua iniquidade foi tirada, e purificado o teu pecado.
Is 6.8 – Depois disto, ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim.

Introdução
Enfatizaremos nesta lição, assim como os missiólogos e escritores dos séculos XX e XXI, que o Antigo Testamento é a base para a atividade missionária da Igreja entre todas as nações e povos do mundo.

1. O planejamento de Missões

É praticamente impossível compreender a obra missionária no contexto histórico do Antigo Testamento sem o entendimento correto do plano da redenção estabelecido desde o princípio.

1.1 Conceito de Missões no Antigo Testamento  
Como temos estudado nas lições anteriores, desde o princípio, a Bíblia revela a missão de Deus (Missio Dei), por intermédio do povo separado por Deus, para alcançar todo o mundo, por causa do amor de Deus, para restaurar a Sua criação ao propósito original. Tal revelação passa pela bênção e orientação ao primeiro casal (Gn 1.27-28), pelo Criador perguntado pelo primeiro homem após a queda, a promessa feita e a providência divina (Gn 3.9, 15, 21), e por tantos que foram chamados, vocacionados e enviados pelo Senhor Deus, denunciando o pecado, anunciando o juízo divino, convocando ao arrependimento e revelando a vinda do Messias, o Salvador Jesus Cristo, para consumar o plano divino de salvação (2Pe 2.5; Jd 14; Sl 22; Is 53).

1.2 Princípios da obra missionária  
No Antigo testamento encontra-se os princípios básicos da atividade missionária. O próprio Jesus Cristo frequentemente relacionava sua identidade e missão ás Escrituras Sagradas do Antigo testamento. Após Sua ressurreição, Ele revela aos seus discípulos que tanto seu sofrimento, sua morte e sua ressurreição, como a atividade missionária da igreja “pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados em todas as nações” (Lc 24.46-47), já estavam previstos nos escritos do Antigo Testamento.

1.3 O texto bíblico usado por Pedro e Paulo
 Há a tendência de pensar sobre atividade missionária como uma tarefa estabelecida a partir da grande comissão (Mt 28.18-20). Contudo, com base em textos bíblicos que registram as palavras dos apóstolos Pedro e Paulo, Missões é um assunto bíblico que está presente nas Sagradas Escrituras muitos séculos antes do registo do evangelho de Mateus. A exposição de Jesus Cristo mencionada em Lucas 24.44-47 foi tão impactante que nos registros das mensagens dos apóstolos, quando estes queriam enfatizar que o plano divino de salvação era para todos os homens (não apenas aos judeus), não constam as palavras de grande comissão, mas, sim, o chamado “verso misterioso”: Gênesis 12.3. Os apóstolos Pedro e Paulo, o citaram, respectivamente (At 3.25-26; Gl 3.8).

2. A contínua ação do Deus Missionário
Mesmo nos períodos mais longínquos e sombrios da história, o Deus Missionário sempre teve na terra Suas Testemunhas.

2.1 Revelação Geral e Revelação Especial
Interessante que a própria natureza é uma testemunha, conforme encontramos em Atos 14.15-17 e Romanos 1.18-21. O Deus missionário se revelou. É possível conhecê-lo. Deus testemunha, por meio da criação, sua providencia, seu cuidado, seu amor e da sua própria imagem nos seres humanos. Esta revelação é identificada nos estudos teológicos como Revelação Geral. A Revelação Especial contém os mandamentos, o plano divino de salvação, as Escrituras Sagradas, a pessoa de Jesus Cristo.

2.2 O Evangelho anunciado a Abraão
É interessante ressaltar que o próprio Deus “anunciou primeiro o evangelho a Abraão” (Gl 3.8). A mensagem divina das boas-novas anunciava que Abraão seria abençoado e que a bênção alcançaria “todas as nações”. Aqui encontramos a continuidade da revelação do plano divino de salvação: a semente da mulher (Gn 3.15) viria por intermédio da descendência de Abraão. Mais adiante, Deus repete a promessa a Isaque (Gn26.1-5).

2.3 A ação missionária na Terra Prometida
Raabe, que acolheu os espias em sua casa, na cidade de Jericó, é um exemplo de pessoa que não era descendente de Abraão, mas, ao ouvir sobre os atos poderosos de Deus, declarou: “porque o Senhor, vosso Deus. É Deus em cima nos céus e embaixo na terra” (Js 2.11). A misericórdia e o amor de Deus alcançaram ela e todos que estavam em sua casa. Ela consta na genealogia de Jesus Cristo (Mt 1.5). e na galeria dos heróis da fé (Hb 11.31). Afinal, a promessa feita a Abraão tem alcance mundial: “todas as famílias da terra”.

3. Israel, a nação missionária
O projeto divino para Israel como nação escolhida por Deus foi que como tal pudesse exercer um papel missionário no mundo.

3.1 Israel, a nação testemunha
Encontramos em Êxodo 19.4-6 que o propósito de Deus ao libertar Israel do Egito era que o povo se aproximasse dEle e fosse povo exclusivo dEle, sacerdotal e santo. Assim seria um povo separado para adorar a Deus e, então. Fazer conhecido o caminho e a salvação do Senhor entre todos os povos, para que todos louvem e temam ao Deus Todo-Poderoso (Sl 67). O apóstolo Pedro, inspirado pelo Espirito Santo, identifica a Igreja com as mesmas características e responsabilidades atribuídas a Israel (1Pe 2.9). É preciso que cada discípulo de Jesus Cristo conheça a viva estes chamado e vocação.

3.2 Ação missionária dos profetas
Autor da salvação e da obra missionária, Deus levantou profetas, homens que dEle recebiam diretamente uma mensagem de juízo ou despertamento para que o povo se voltasse para sua presença (Am 3.7). Talvez a história do profeta Jonas seja um dos principais referenciais missionários do Antigo Testamento, por constar o mandato do Deus Missionário ao povo escolhido com relação a outro povo. Uma introdução á Grande comissão entregue por Jesus Cristo à Igreja (Mt 28.18-20).

3.3 O reino de Judá disperso e exilado
A infidelidade trouxe o juízo de Deus ao reino de Judá. Os habitantes foram exilados na Babilônia e apenas os pobres dentre o povo foram deixados na terra de Judá (Jr 30.1-10). Foi nesse período que, sem a adoração no templo, os judeus fundaram sinagogas em muitos lugares, para não perderem a sua cultura e adoração. Jesus reconheceu o zelo missionário dos fariseus, mas reprovou sua hipocrisia (Mt 23.15). Foi a partir dessas sinagogas que Paulo fundou várias igrejas cristãs em vários países.

Conclusão
O Antigo Testamento está repleto de princípios bíblicos e registos de atividades missionarias. Deus já estava agindo para tornar conhecido seu plano de salvação em toda a terra. Que cada discípulo de cristo esteja consciente da responsabilidade de prosseguir com a obra missionária nesta geração.

Questionário
1. Qual é o “verso misterioso”?
2. Qual era o propósito de Deus ao libertar Israel do Egito?
3. Como o apóstolo Pedro, inspirado pelo Espirito Santo, identifica a Igreja?
4. O que trouxe o juízo de Deus ao reino de Judá?
5. O que Jesus reprovou dos fariseus? 

sábado, 29 de julho de 2017


                                    Deus, o autor de missões

                                      06 de outubro de 2017

Texto Áureo
“Nisto se manifestou a caridade de Deus para conosco: que Deus enviou seu filho unigênito ao mundo, para que por ele vivamos. ” 1Jo 4.9
Verdade Aplicada
Logo no início da Bíblia encontramos que o Deus Criador é um Deus missionário, interessado em abençoar todas as famílias da terra.
Objetivos da Lição
·         Explicar aos alunos que o plano de salvação foi elaborado antes da queda do homem;
·         Apresentar a Cristo como a figura central da palavra de Deus;
·         Mostrar o envolvimento da trindade nas dispensações.
Glossário
Exímio: Que denota superioridade; que é excelente; brilhante;
Primazia: Prioridade; primeiro lugar;
Sapiência: Qualidade do que revela sabedoria e prudência; erudição.
Leituras Complementares
Seg. Mt 13.18-23
Ter. Mt 28.18-20
Qua. Lc 19.10
Qui. Jo 3.16
Sex. At 17.28
Sáb. Ef 3.9
Textos de Referência
Jo 20.19– Ao cair da tarde daquele dia, o primeiro da semana, trancadas as portas da casa onde estavam os discípulos com medo dos judeus, veio Jesus, pôs-se no meio e disse-lhes: Paz seja convosco.
Jo 20.20 –E, dizendo isto, lhes mostrou as mãos e o lado. Alegraram-se, portanto, os discípulos ao verem o Senhor.
Jo 20.21 - Disse-lhes, pois, Jesus outra vez: Paz seja convosco! Assim como o Pai me enviou, eu também vos envio.
Jo 20.22 - E, havendo dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: Recebei o Espírito Santo.

Introdução
Desde a eternidade, Deus traçou um plano de redenção para toda a humanidade. Seu plano sempre foi abençoar as famílias da terra. Por isso, ele nos convoca e nos comissiona a realizar essa missão (Gn 12.3).

1. Deus, o missionário por excelência
O anúncio do Evangelho não se iniciou no tempo do novo testamento: “Deus...anunciou primeiro o evangelho a Abraão, dizendo: todas as nações serão benditas em ti” (Gl 3.8). Assim, a missão de salvar o mundo foi idealizada por Deus.

1.1 A criação revela o amor do Criador
O mesmo Deus que chamou e comissionou Abraão criou os céus e a terra, e, como clímax de Sua obra, trouxe à existência a raça humana, pois o ser humano foi feito à imagem de Deus para refletir a gloria de Deus no mundo (Gn 1.27). É digno de nota que o Senhor Deus criou, abençoou e deu ordens e instruções sobre a vida na terra (Gn 1.27-28;2.16-17).

1.2 A missão começa com Ele
Deus, além de Criador, tem um pleno envolvimento com Sua obra. Mesmo após ter se rebelado contra Deus e, assim, ter sido alvo do julgamento divino, o ser humano continua desfrutando da manifestação da graça e da misericórdia de Deus. Após a queda, Deus continua agindo em direção ao homem: “ouviram a voz do Senhor... pela viração do dia” (Gn 3.8). Aí está Deus como o primeiro missionário, tomando a iniciativa de ir até o ser humano caído, mostrando-lhe o seu erro (desobediência) , a insuficiência das tentativas humanas diante das consequências do pecado ( vestes de folhas de figueira) e fazendo o primeiro anuncio do Evangelho (Gn 3.15).

1.3 Um projeto elaborado desde a eternidade
 Encontramos na Bíblia que o plano de salvação mão é um projeto de última hora, para resolver um problema inesperado. Trata-se de um propósito de Deus, desde o princípio da criação (Ef 3.9), que, em Sua soberania, decidiu revelar ao homem de forma gradual. Por isso, o apóstolo Paulo chama de “mistério”. A salvação está no coração de Deus “antes da fundação do mundo” (1Pe 1.20). Após o primeiro anúncio (Gn 3.15), o plno foi revelado no decorrer da história até a vinda de Jesus Cristo, o Salvador (1Pe 1.18-20; Ap 13.8).

2. Missões em vários aspectos
Em Seu grande projeto de redenção, o Criador fixou tempos e estações para cumpri-lo (At 1.7). É perceptível que, ao longo da história, o processo divino de “tornar a congregar em Cristo todas as coisas” (Ef 1.10) vai sendo conduzido de acordo com a soberania de Deus.

2.1 O processo ascendente de Missões
Encontramos na Bíblia que o desejo de Deus em relacionar-se com pessoas foi manifesto na criação. Por isso, fez o ser humano à Sua imagem. Vemos assim que o propósito da missão é tornar a trazer o homem distante de Deus para a comunhão com o Seu Criador. Com a entrada do pecado na vida humana, inicia-se uma alienação progressiva em relação ao propósito para o qual foi criada (Gn 4-11). Contudo, num contexto de degradação moral e espiritual, Deus chama um homem e promete que, por intermédio de sua descendência, abençoaria todas as famílias da terra (Gn 12.1-3).

2.2 Cristo, a figura central
A Bíblia, a palavra de Deus, revela o Senhor Jesus Cristo como o Messias prometido, a figura central em todas as dispensações. Ele é a pessoa principal de toda a pregação e ensino. Ele aparece figurando: nas vestimentas de pele com que o Senhor vestiu a Adão e Eva, sua mulher (Gn 3.21); no carneiro imolado em lugar de Isaque (Gn 22.13-14); no cordeiro pascoal sacrificado na saída dos filhos de Israel do Egito; na nuvem que guiava os israelitas de dia e na coluna de fogo que os aquecia a noite. Enfim, Jesus é o centro da Bíblia. O próprio Jesus fez questão de falar que as Escrituras testificavam dEle (Jo 5.39). E, para que não houvesse duvidas, o Pai confirmou Seu ministério, para que todos nEle cressem (Jo 8.14-18).

2.3 Bíblia, o alicerce
Na Bíblia encontramos a revelação de tudo quanto necessitamos e precisamos saber para a prática da obra missionária. Sem a palavra de Deus, é impossível a evangelização do mundo. Nela encontramos que é nossa a responsabilidade da proclamação do plano divino de salvação, o poder e capacitação para cumprirmos a missão, e a mensagem a ser anunciada. Quanto mais convictos estiverem os discípulos de Jesus Cristo acerca da autoridade da Bíblia, maior será o comprometimento com a obra missionária. O próprio registro da mensagem em formato de livros tinha um propósito missionário (Jo 20.30-31).

3. Missões e a Trindade 
Um dos textos bíblicos que enfatiza o trabalho do Deus Trino na obra missionária é o que registra a ordem de Jesus Cristo: “...ide, ensinai todas as nações, batizando-as em nome do Pai, e do Filho, e do Espirito Santo” (Mt 28.19). Assim, cada pessoa da Trindade está envolvida no envio, no comissionamento, na capacitação e na promoção da ação missionária.

3.1 A participação de Deus Pai
O conferencista em Missões, Robert E. Speer, declarou: “É no próprio ser e caráter de Deus que a base mais profunda do esforço missionário deve ser encontrada”. É importante que esta ênfase teocêntrica seja destacada em missões, pois, como o apóstolo Paulo registrou na epístola aos Efésios, somos abençoados, escolhidos, remidos “para louvar a glória da sua graça...”; ”...para louvor da sua glória...” (Ef 1.3-14). Deus pai nos criou para que nos relacionássemos com Ele. Após o pecado. Agiu para que ocorresse a reconciliação.

3.2 A participação de Jesus Cristo

Em Jesus Cristo encontramos a realização plena da ação missionária de Deus pai. Enviado pelo Pai, veio para “servir e dar a sua vida em resgate de muitos”, “aniquilou-se a si mesmo, tomando a forma de servo” (Mc 10.45; Fp 2.6-8). Ele é o cumprimento da missão: “Assim como o pai me enviou, eu também vos envio” (Jo 20.21). Após Sua ressurreição, Ele abre o entendimento dos discípulos para compreenderem as escrituras (Lc 24.45) e mostra-lhes que já estava previsto no Antigo Testamento a Sua vinda, que padeceria, ressuscitaria e que “...em seu nome se pregasse o arrependimento e a remissão dos pecados, em todas as nações” (Lc 24.46-47). Ele declara: “É-me dado todo o poder no céu e na terra” (Mt 28.18), antes de lançar a chamada Grande Comissão.

3.3 A participação do Espirito Santo  
O Espírito Santo atua na história desde o princípio: “o Espírito de Deus se movia” (Gn 1.2). Atuou na criação (Jó 33.4; Sl 104.30). Continua atuando até hoje. Por todo o período do Antigo Testamento vemos a ação do Espírito Santo na vida de tantos que foram chamados e enviados por Deus, capacitando-os para o cumprimento da missão. Logo no início do Novo Testamento lá está o Espírito Santo agindo em Maria para a encarnação de Jesus Cristo, enchendo Isabel, mãe de João Batista, e, depois, ungindo o próprio Messias (Lc 1.35, 41:3.22). Pelo Espírito Santo, Jesus Cristo se ofereceu como sacrifício (Hb 9.14). O próprio Jesus Cristo prometeu que o Espírito Sano estaria sempre conosco (Jo 14.16).

Conclusão

Considerando que o Deus Trino e uno se revela como Missionário, desde o princípio, e que, em Sua soberania, decidiu vocacionar homens nascido de novo para cumprir a missão de tornar conhecido o plano de salvação para humanidade, é imprescindível que a Igreja priorize tal atividade.

Questionário

1. Quem idealizou a missão de salvar o mundo?
2. Em Seu grande projeto de redenção, o que Cristo fixou?
3. Sem palavras de Deus, o que é impossível?
4. Quem é o cumpridor das promessas do Antigo Testamento desde Gênesis 3.15?
5. O que Jesus Cristo prometeu acerca do Espírito Santo? 

quinta-feira, 27 de julho de 2017

EBD BETEL - CONTEÚDO Lição 5 - A Evangelização de grupos específicos - 30/07/2017

CONTEÚDO LIÇÃO 5
A Evangelização de grupos Específicos - 30/07/2017 


Texto Áureo “Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o que se havia perdido.” Lc 19.10 

Verdade Aplicada 
Ao evangelizar grupos que estavam à margem da sociedade, Jesus não somente nos deu um exemplo, como também nos confiou um legado. 

Textos de Referência Lc 19.1-5

INTRODUÇÃO 
A graça de Deus que se manifestou trouxe salvação a “todos os homens” (Tt 2.11), indicando, assim, o caráter universal do Evangelho. Na evangelização, não há lugar para preconceito e discriminação. 

1. O INSPIRADOR AMOR DE JESUS 
Jesus compartilhou a mensagem do Reino de Deus com pessoas que eram discriminadas, como por exemplo, os publicanos e as meretrizes. O amor do Senhor não via empecilhos, mas oportunidade de pregar-lhes a salvação. 

1.1 O amor que busca o pecador 
1.2 O amor misericordioso 
1.3 O amor perdoador

2. OS GRUPOS DOS NOSSOS DIAS 
A identificação de diversos grupos sociais contribuirá na contextualização da mensagem do Evangelho e no estabelecimento de estratégias buscando promover ações inclusivas, pois todos os segmentos sociais devem ser alcançados pela evangelização. 

2.1 Comunidades carentes 
2.2 Crianças abandonadas 
2.3 Anciãos 

3. OUTROS GRUPOS A SEREM EVANGELIZADOS 
Evangelizar grupos específicos é reflexivo, desafiador e nos conduz a uma vida cristã prática. Se não fizermos algum tipo de trabalho em prol de nosso próximo, tudo mais será perda de tempo.  

3.1 Alcoólatras e dependentes químicos 
3.2 Encarcerados e ex-presidiários 
3.3 A batalha contra o mal 

CONCLUSÃO 
Busquemos conhecer os diversos grupos sociais que estão presentes na região da igreja local. Apresentemos ao Senhor em oração e peçamos a direção e capacitação necessárias do Espírito Santo, pois todos os segmentos sociais precisam ser alcançados pela mensagem de salvação.

sábado, 22 de julho de 2017

EBD BETEL - Comentários Adicionais - O perfil dos enviados de Cristo - 23/07/2017

Comentários Adicionais
O perfil dos enviados de Cristo
23 de julho de 2017

Textos de Referência - Atos 20.17-21

INTRODUÇÃO
O apóstolo Paulo ficou três anos em Éfeso e nesta cidade o ministério do apóstolo Paulo foi extremamente impactante com extraordinários resultados, em outras palavras, a Igreja se Éfeso se tronou uma das Igrejas mais importantes do novo testamento, sobrepondo Antioquia e Jerusalém. Éfeso era uma cidade com mais de 200 mil habitantes, uma cidade grande para época, sediava o templo da deusa Diana, a idolatria e feitiçaria imperava naquela cidade. E neste três anos que Paulo fica em Éfeso, a cidade sofre uma grande transformação.

Vamos entender mais detalhadamente como era Éfeso?

Significado de Éfeso: Desejável. é bem provável que o nome grego da cidade significasse exatamente isso: desejável.

Mapa - Éfeso na atualidade
 


População: Metrópole cheia de gente: Calcula-se que Éfeso, antigamente, tinha pelo menos 225.000 habitantes. 

Economia: A cidade era importante, tanto do ponto de vista comercial, como do religioso. Havia abastança, embora nem todos os habitantes fossem prósperos. A situação de Éfeso contribuía para a sua importância. Situada perto da desembocadura do rio Caister, na costa ocidental da Ásia Menor, quase que se defrontava com a ilha de Samos. 

EBD BETEL - Conteúdo Lição 4 - O perfil dos enviados de Cristo - 23/07/2017

O perfil dos enviados de Cristo
23 de julho de 2017


Texto Áureo
“E disse-me: Vai, porque hei de enviar-te aos gentios de longe”. At 22.21


Verdade Aplicada
Jesus Cristo fez de Sua missão um modelo para a nossa, enviando-nos ao mundo.

Textos de Referência